Home Sobre Anuncie Contato

Entrevista: Mônica Salgado

postado por Minha Vida de Cão


A entrevistada desta semana é Mônica Salgado. Para quem não a conhece, ela é mãe, esposa, jornalista, creator, e colunista do programa Vídeo Show. Em 2015 fiz um entrevista com ela para o blog aqui para quem quiser ler. E foi depois disso que comecei a segui-la nas redes sociais e conhecê-la um pouquinho mais. Ela é uma mulher admirável, muito querida e acessível.

Vamos a entrevista:

Você vive em um universo que é muito fácil se deslumbrar, como faz para ser tão centrada e pé no chão? Nunca de deslumbrou?
Acho que o deslumbre faz parte, depende do sentido que a gente der para palavra deslumbre. O brilhar de olhos, o encantamento com as coisas, eu acho muito positivo e acho que a gente deve manter isso. Porque pelo contrário, eu vivo em um mundo em que as pessoas são muito blasé, as pessoas gostam muito de esconder o que elas acham, o encantamento que elas sentem diante das coisas incríveis que a gente vive, que o trabalho nos proporciona. Então, eu sempre procurei manter este encantamento. Agora, o deslumbramento da arrogância, de se achar superior, acho que isso não, pelo contrário (risos) mora aqui um complexo de inferioridade, isso nunca aconteceu comigo não.

Vivemos em um sociedade muito preconceituosa. Já sofreu algum preconceito ou algum tipo de assédio na sua profissão por ser mulher?
Nunca sofri porque, na verdade o nosso mercado é muito feminino, é um mercado de revistas femininas. A gente lida tanto com mulheres, as estrelas da capa eram mulheres, a maior parte dos agentes, das assessoras, funcionárias. Eu sempre fui muito cercada de mulheres, no ambiente profissional, então nunca tive esse problema.

Quem na sua opinião foi a mulher do ano e porque?
A questão da mulher do ano é uma questão complexa porque não existe a mulher do ano, existe as mulheres do ano, sobre diversos aspectos. Então existe a professora da creche, que teve toda aquela polêmica na internet, que a revista GQ deu o prêmio de mulher do ano para Anitta, que não deixa de ser uma mulher do ano. Existem  várias áreas de  destaque, existem empresárias que fazem trabalhos incríveis, a Rachel O. Maia que é a presidente da Pandora no Brasil, que é negra, que levanta essa bandeira com tanto orgulho. São muito poucas mulheres negras a frente de grandes companhias ainda mais uma companhia internacional global como a Pandora. Eu acho que a Anitta sim é uma mulher que merece todo nosso respeito e admiração. Olha onde ela chegou, que longe que ela chegou no show business, é uma grande empreendedora, uma mulher inteligentíssima que gere a sua carreira de maneira fenomenal. Na política infelizmente a gente não tem nenhum nome  digno de nota. Mas eu acho que temos heroínas da vida real, mulheres batalhadoras, quantas mulheres do ano a gente não tem que acordam as quatro da manhã, deixam o filho na creche, sustentam uma família, chegam em casa à noite e ainda limpam a casa, fazem jantar, fazem a lição dos filhos, são abusadas e aguentam tanto caladas, as vezes por "N" motivos. Enfim é muito difícil chegar a um nome só, eu acho que não existe um nome só.

O que mais gosta e o que mais te incomoda nas redes sociais?
Ah, eu amo as redes sociais, eu acho que na vida nada é absoluto, tudo tem dois lados, pontos bons e ruins, eu acho que engaja, une, dá voz. Claro, dá voz para os idiotas, a gente teve uma série de problemas este ano no mundo, as eleições americanas, fake news, haters e casos de racismo tristíssimos, surreais. Mas ao mesmo tempo as redes sociais também dão voz para que a gente faça campanhas anti racistas, para que a gente reaja, para que a gente faça barulho com essas mensagens. Em resposta a essas declarações infelizes e descabidas, então eu acho que as respostas acabam sendo mais barulhentas, mais efetivas e acabam chegando a mais pessoas. Acaba sendo uma reação mais violenta no bom sentindo, eu acho que quantas causas importantes as redes sociais ajudaram a disseminar, difundir. Causas que não teriam tido o mesmo poder de difusão se não fossem as redes sociais. Então, eu acho que têm muitos mais pontos positivos do que negativos, e acho que une as pessoas, faz a gente se comunicar com tantas pessoas que a gente se identifica, e as quais a gente não chegaria se não fosse pelas redes sociais.

Já teve dor de barriga na hora de entrevistar alguém? Se sim quem?
Dor de barriga (risos), nunca tive mas, claro tem pessoas que nos deixam mais nervosas. Eu costumo na verdade me sentir muito à vontade. Vou te falar, é muito difícil eu ficar nervosa diante de um entrevistado. Talvez Antônio Fagundes, ele tem de repente uma fama de ser assim um pouco mais... como eu posso te dizer, ele tem aquela fama de ser uma pessoa extremamente rígida com horário, então eu cheguei (risos), uma hora antes da entrevista e tal. Mas ele foi simpaticíssimo, querido, disponível, acessível, me surpreendeu muito.  

Qual a melhor e a pior parte de ser Mônica Salgado?
Tão difícil a gente falar de si. Eu acho que eu sou uma pessoa... eu tenho uma curiosidade dentro de mim, tenho uma alma muito criança, eu adoro descobrir coisas, eu adoro descobrir pessoas, eu adoro conversar, saber as histórias das pessoas. Eu amo descobrir coisas novas, lugares novos, criar coisas novas. Então, essa curiosidade meio infantil de quem tá descobrindo o mundo sempre é uma coisa muito minha. E a pior parte, tenho uma necessidade de achar que o mundo tem que seguir meu ritmo, que o mundo tem que estar meio que a disposição da velocidade que eu acho que as coisas têm que ser. Ainda mais agora, nesta nova fase da minha vida, então é um pouco difícil isso, um pouco difícil de lidar. Porque obviamente o mundo não te acompanha, e acho que também me falta um pouco de empatia, eu sou muito exigente com as pessoas, de ter empatia no sentido de me colocar no lugar do outro e entender as razões do outro, as razões pelas quais o outro não responde do jeito que eu acho que o outro tinha que responder. Todos têm seus motivos, e todos, no fim das contas, fazem o melhor que podem.

Se pudesse entrevistar qualquer pessoa, quem escolheria?
Quem eu adoro, que eu acho incrível é a Jennifer Lawrence. Cara, eu acho essa mulher tão interessante, e eu já li muitas entrevistas dela, já vi muitas entrevistas dela. E eu acho ela super autêntica, fora que é talentosíssima. É uma pessoa que me instiga assim, eu gosto muito do jeito que ela se coloca no mundo, foi a pessoa que me veio agora.

Quais suas metas para 2018?
Eu quero muito lançar o meu livro, que tá andando. E quero muito aprofundar meus projetos na TV, é muito gostoso fazer TV, então se Deus quiser eu vou conseguir aprofundar.

Deixe um recado para as leitoras do blog que admiram seu trabalho.
Ah queridas, meu recado é, obrigada pelo carinho, é tão gostoso a gente sentir que tem um propósito, e que esse propósito toca as pessoas, ele chega até as pessoas, que ele faz alguma diferença na vida das pessoas. Acho que isso é a melhor sensação que a gente pode ter, isso faz a nossa vida ter sentido, então obrigada por me proporcionarem isso. Beijo enorme!



Ela é maravilhosa né? Admiro muito e amo a forma com que ela se posiciona, ela é muito espontânea. Vou deixar o Instagram para quem quiser conhecer, vale a pena.

Espero que tenham gostado!!!
Beijos e Lambidas.
Cris e Pipa


Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário